Navegar para Cima
Logo
Secretaria Regional da Agricultura e Florestas
Direção Regional dos Recursos Florestais
 



Narceja-comum
 
A população nidificante de narceja-comum dos Açores é monitorizada pelos Serviços Florestais em várias ilhas, através da contagem de aves em exibição.  As contagens são efetuadas durante o início da manhã, em pontos pré-estabelecidos em locais onde a espécie nidifica.  As aves escutadas a vocalizar ou em voos de exibição são contabilizadas para o índice de abundância que permite acompanhar as variações no efetivo.  A contagem de aves em exibição é utilizada para monitorizar outras populações de narceja-comum, como por exemplo na Rússia, em França, ou no Reino Unido​ (Smith 1981, Green 1985, Hoodless et al. 2006​).

Nos Açores, a contagem de aves em exibição é utilizada desde 2007 para monitorizar a narceja-comum no Planalto dos Graminhais, na ilha de São Miguel (Rodrigues & Gonçalves 2009).  Em 2011 e 2014, foi também experimentada na ilha de São Jorge, onde se realizaram contagens quinzenais entre abril e agosto, e janeiro e agosto, respetivamente.  Nestas contagens foi registado um número mais elevado de aves em exibição durante o mês de abril (Rodrigues et al. 2012, Rodrigues et al. em preparação​), indicando que este será o melhor período para aferir a população.  Em 2014, a população começou a ser monitorizada noutras ilhas (Rodrigues et al. 2017).

Atualmente é monitorizada nas ilhas do Faial, Pico, Terceira e São Miguel, e pretende-se alargar essa monitorização às ilhas de São Jorge e Flores.  Desde 2014 foram despendidas mais de 90 horas, exclusivamente dedicadas à escuta/observação de narcejas.  O número de ilhas em que a espécie foi monitorizada e o número de pontos visitados tem variado ao longo dos anos.  Em 2018, a população foi monitorizada nas ilhas do Faial, Pico, Terceira e São Miguel, num total de 42 pontos, tendo sido registados pelo menos 110 indivíduos diferentes.​ 




(Clique em cada ilha para mais informação)

 

Na ilha do Faial, a abundância de narceja-comum manteve-se estável durante os três anos em que a população foi monitorizada.  Na ilha do Pico, a abundância permaneceu estável durante os primeiros quatro anos de monitorização, e em 2018 observou-se um aumento significativo.  Na ilha Terceira, a diminuição observada na abundância de narceja-comum, não é significativa.  Na ilha de São Miguel, a abundância de narceja-comum tem diminuído. 

Não obstante das variações registadas em cada uma das ilhas monitorizadas, do ponto de vista global, ao longo dos últimos cinco anos, a abundância de narceja-comum nos Açores manteve-se estável.


Variação anual da abundância relativa de narceja-comum nos Açores​


O gráfico apresentado ilustra a variação da abundância relativa estimada através de modelação estatística do número de narcejas-comuns em exibição em cada ponto de monitorização, através de um modelo misto aditivo generalizado (GAMM), com uma distribuição do erro do tipo negativo binomial.  As ilhas, os pontos e as datas em que estes foram visitados foram incluídos no modelo como variáveis aleatórias.  O modelo teve em conta a dispersão estatística dos dados.  A curva sólida verde, e as curvas tracejadas, correspondem à abundância relativa estimada e respetivos intervalos de confiança a 95%.


Referencias:

Green RE. 1985. Estimating the abundance of breeding Snipe. Bird Study 32: 141-149. [https://doi.org/10.1080/00063658509476869]

Hoodless AN, Inglis JG & Baines D. 2006. Effects of weather and timing on counts of breeding Snipe Gallinago gallinago. Bird Study 53: 205-212. [https://doi.org/10.1080/00063650609461435]

Smith KW. 1981. Snipe censusing methods. Bird Study 28: 246-248. [https://doi.org/10.1080/00063658109476730]

Rodrigues T & Gonçalves D. 2009. A narceja na ilha de São Miguel. In Silva, R & Páscoa, F (eds). Resumos das comunicações apresentadas ao 6º Congresso Florestal Nacional. pp. 51. Ponta Delgada, Açores (Portugal).

Rodrigues T, Moutinho C, Leitão M & Gonçalves D. 2012. Estabelecimento de um protocolo de monitorização da narceja em período reprodutivo nos Açores. VI Jornadas Florestais Insulares, Faial-Pico-São Jorge, Açores (Portugal). (Comunicação em Poster)

Rodrigues TM, Lima P, Pires J, Costa J, Sequeira J, Castro A, Azevedo F, Gonçalves D, Leitão M. 2017. Monitoring of the Common Snipe breeding population in the Azores (2014-2017). In Gonçalves, D. & Ferrand, Y (eds). Programme and abstracts of the 8th Woodock and Snipe Workshop. pp. 20. Madalena, Açores (Portugal). [https://www.wetlands.org/wp-content/uploads/2015/11/Program_and_Abstract_book_final.pdf​]​


Última atualização: 25 de janeiro de 2019​

 
​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​